A única condição que separa o sonho da realidade é a força de vontade em realiza-lo!
( Adriano Hungaro )

sábado, 26 de novembro de 2011
















DOS MEUS FRIOS VERSOS DE AMOR

Quando ouço teus dilemas, quando pensa em algum tema; digo logo - espera ai; faço dele outro poema. É um jeito deturpado, de mostrar-me apaixonado. Mas as coisas que escrevo, o meu eu apaixonado, lá no fundo é só engodo, bem no fundo é desenhado. É um eu que eu não sinto; que não sinto mas que finjo - dentro desse nosso labirinto... ele é bem interpretado. No poema apaixonado, o meu eu de coração - é um eu emudecido... é um eu que vai calado.

Só escrevo o que vejo, não escrevo o que passo. Sinto nisso um engano, entre nós - é um fracasso. Pois viver é muito mais do que desenhar palavras, do que escrever poemas, do que rabiscar dilemas... desses sóis e belos traços. Os dilemas que tu pensa, todos esses que tu passa, no fundo não são problemas, no fundo não são dilemas, muito menos é desgraça.

A desgraça passo eu, que não aprendeu viver, que só sabe escrever, que vive só de trapaças. Trapaceio nas palavras, faço delas vãs histórias... mil histórias desenhadas. São histórias que não sei e que nunca viverei... de um eu apaixonado. Sempre um conto de palavras, que se somam belas falas. Isso sim que é dilema, isso sim que é desgraça... pois os versos de amor, recheados de emoção... não brotam do coração... São palavras, só palavras!




⊱✿✿

Nenhum comentário:

Postar um comentário