A única condição que separa o sonho da realidade é a força de vontade em realiza-lo!
( Adriano Hungaro )

quarta-feira, 21 de setembro de 2011















Ahhhhh... já não podemos confundir o amor que se escreve do amor que se vive. Porque o peso do amor dito pelo "eu te amo" na véspera do primeiro dia de "amar" é diferente da leveza do amor que semea-se lentamente... regado em doses de química..., sentimentos e - absoluta - cumplicidade. Porque o amor de sentidos e cumplicidade é imutável... ultrapassa a crença, supera a fé... não muda o tom de voz e continua na mesma intensidade. O amor de palavras pode ser amor fingido... amor que começa em risos e termina em prantos. Ora... amar está além de lágrimas, além de dores, além desse dito sofrimento. Pode ser, nessa mutação de necessidades, nessa tentativa de expressão por palavras, no ato necessário de envaidecer-se e impressionar... que seja apenas uma boa e descomedida paixão... por outros tantos, pode ser que seja apenas só tesão. Mas dizer que o amor falhou, que o amor deixou de ser cúmplice é utopia... é vã quimera. Definitivamente se foi assim... Amor não foi... Amor não é... Amor não era!




⊱✿✿

Nenhum comentário:

Postar um comentário